Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.23/457
Título: Operação de Hartmann: casuística do Departamento de Cirurgia
Autor: Martins, S
Carneiro, T
Toscano, A
Soares, V
Kock, P
Mesquita-Rodrigues, A
Palavras-chave: Procedimentos Cirúrgicos do Sistema Digestivo
Colón/cirurgia
Data: 2006
Citação: Bol Hosp S Marcos. 2006;22(2): 197-9.
Resumo: operação de Hartmann tem como vantagem a segurança do procedimento cirúrgico, e como principal desvantagem a necessidade de uma 2ª. intervenção cirúrgica para conclusão do tratamento. Os autores realizaram um estudo retrospectivo dos doentes submetidos a operação de Hartmann num período de 7 anos (1997-2003). (Introdução) A operação de Hartmann foi inicialmente descrita em 1921 para o tratamento de doentes com carcinoma do recto. Hoje em dia é principalmente utilizada sempre que está contra-indicada uma reconstrução num só tempo. Consiste na ressecção do segmento envolvido pela patologia, com encerramento do topo distal e construção de uma colostomia proximal terminal. Apresenta como principais vantagens a segurança do procedimento, isto é o facto de permitir remover a fonte do problema ao mesmo tempo que elimina o risco de uma anastomose sob condições desfavoráveis. A principal desvantagem resulta de necessitar de um 2º. tempo cirúrgico 'major', geralmente 6 ou mais semanas depois da 1ª. intervenção, que poderá ser dificultado pelo facto de o coto distal ser difícil de identificar e estar retraído, e ainda de ser preciso realizar a desmontagem da colostomia. No entanto alguns doentes ficam privados da 2ª. cirurgia, e a operação de Hartmann dá origem a um estoma definitivo. (Conclusões) As principais indicações para a operação de Hartmann, no Departamento de Cirurgia do Hospital de S. Marcos, foram o adenocarcinoma do cólon e a diverticulite complicada. Esta cirurgia foi realizada principalmente em doentes idosos. No entanto é relativamente segura, tendo-se verificado uma baixa morbilidade, e a mortalidade apresentada resultou da história natural da doença e não da intervenção cirúrgica. Só cerca de 50% dos doentes foram submetidos a reconstituição do trânsito, sendo este um procedimento cirúrgico seguro.
Peer review: yes
URI: http://comum.rcaap.pt/handle/123456789/4513
http://hdl.handle.net/10400.23/457
Aparece nas colecções:HB - CIR - Artigos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Hartmann.pdf866,44 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.