Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.23/664
Título: Diabetes Mellitus e AVC Isquémico – estudo prospetivo em doentes internados no Hospital de Braga
Autor: Monteiro, AM
Cabral, C
Fernandes, V
Alves, M
Marques, OO
Palavras-chave: Diabetes Mellitus
Acidente Vascular Cerebral
Data: 2014
Citação: 11º Congresso Português de Diabetes. Vilamoura, 6 e 9 de Março de 2014
Resumo: Introdução: A diabetes mellitus (DM) é um fator de risco major para o acidente vascular cerebral (AVC) e tem sido demonstrado que diabéticos que sofram AVC apresentam pior prognóstico, com maior morbimortalidade. Objectivos: Determinar a prevalência de DM em doentes internados por AVC isquémico. Comparar variáveis demográficas, prevalência de complicações, tempo de internamento e mortalidade intra-hospitalar entre diabéticos e não diabéticos. Avaliar controlo glicémico e terapêutica usada no tratamento da DM. Material e métodos: Estudo observacional, analítico e prospetivo de doentes internados por AVC isquémico, no Hospital de Braga, entre Agosto e Novembro/2013. Análise estatística: SPSS versão 20. Resultados: Dos 134 doentes incluídos, 30,6% tinham diagnóstico prévio de DM, 79,9% tinham mais de 65 anos e 53,7% eram mulheres. A mediana de idades foi de 79 anos, sem significância estatística entre os doentes diabéticos e não diabéticos (p=0,624). A mediana da glicemia na admissão hospitalar foi 115mg/dl, com significância estatística entre os grupos (156 vs 108mg/dl; p<0,05). O tempo de internamento mediano foi 10 dias para ambos os grupos. Embora sem significância estatística, a prevalência de complicações neurológicas e infeciosas foi inferior nos diabéticos (24,4 vs 36,6%;p=0,167), assim como a mortalidade intra-hospitalar (2,4 vs 10,8%;p=0,106). Não se verificou significância estatística entre glicemia à admissão, prevalência de complicações e mortalidade intra-hospitalar. No grupo de diabéticos verificou-se maior prevalência de antecedentes de HTA, dislipidemia, obesidade, doença coronária, fibrilação auricular, doença renal crónica e AVC prévio. Nos diabéticos, a mediana de HbA1c foi de 7,2%, não tendo sido verificada significância estatística entre a HbA1c, prevalência de complicações e mortalidade intra-hospitalar. Relativamente à terapêutica da DM, à admissão vs alta hospitalar, 61,0 vs 56,1% estavam medicados com antidiabéticos orais (ADOs); 17,1 vs 17,1% com insulina e ADOs, 9,8 vs 24,4% apenas com insulina, e 12,2 vs 2,4% sem terapêutica medicamentosa. Entre os diabéticos, 26,8% foram observados pela Endocrinologia para orientação terapêutica. Destes doentes, verificou-se maior prevalência de doentes sob terapêutica prévia com insulina (63,6 vs 36,4%;p<0,05), com uma taxa de início de insulinização de 9,1% na alta. Conclusão: O controlo glicémico no grupo de diabéticos é razoável, na maioria dos doentes, tendo em conta a faixa etária e a pré-existência de comorbilidades e complicações crónicas. Admitimos que a ausência de maior prevalência de complicações e mortalidade no grupo de diabéticos vs não diabéticos, poderá estar relacionada com a dimensão reduzida da amostra.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.23/664
Aparece nas colecções:HB - EDM - Comunicações e Conferências
HB - MED INT - Comunicações e Conferências

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ANEXO 3_DM e AVC.pdf539,22 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.